(41) 3303.6777 | (41) 99500.9977 (41) 99500.9977 | contato@nfernandes.com.br Nós Acreditamos!
Fernandes Advogados – Nós Acreditamos! -

Artigos

19/10/2018

A Letra Ilegível do Médico e Suas Implicações Jurídicas

O comum recebimento, por pacientes, de atestados e prescrições médicas escritos com letra ilegível, muitas vezes de impossível compreensão, são motivo de velhas conhecidas piadas em face dessa classe de profissionais.

Porém, o que a maioria dos médicos desconhece são as implicações jurídicas decorrentes de suas condutas referentes a se atestar, prescrever e anotar a evolução clínica de seu paciente no prontuário médico de forma ilegível.

O Código de Ética Médica em vigor, exarado por meio da Resolução n.º 1.931/2009 do CFM, em seu art. 11, inserto no capítulo III, veda ao médico “receitar, atestar ou emitir laudos de forma ilegível”.

O efeito do descumprimento da previsão ético-normativa mencionada é a responsabilização do profissional perante o Conselho Regional de Medicina, por prévia instauração de processo ético-profissional.

Porém, praticamente desconhecido se faz o fato de que a letra ilegível do médico, pode ensejar também sua responsabilidade civil, ou seja, o médico que prescreve, atesta, ou anota evolução clínica de forma ilegível pode, por este motivo, ser processado judicialmente.

A responsabilização civil do médico, em virtude de prescrever, atestar, ou anotar evolução clínica de seu paciente com letra incompreensível, viola o dever de informação, previsto no artigo 6º, inciso III, do Código de Defesa do Consumidor.

Vale ainda ressalvar que, embora o Código de Ética Médica, no seu inciso XX, inserto no Capítulo 1, nominado ‘Princípios Fundamentais’, preconize pela não caracterização de relação de consumo entre médico e paciente, que tal dispositivo não tem qualquer eficácia jurídica.

A carência de eficácia referida decorre em virtude de o Código de Ética Médica não configurar Lei em seu aspecto formal, pois não foi editado pelo Poder Legislativo, que possui o monopólio da criação de Leis.

O Código de Ética Médica consiste em mero ato administrativo, portanto sem força revogadora sobre Leis, devendo a elas se subordinar, apenas. Por este motivo, aplicam-se os efeitos das normas grafadas no Código de Defesa do Consumidor sobre a relação médico/paciente, inclusive no que atine ao dever de informação que o profissional médico tem em relação aos seus pacientes.

LEONARDO ADRIANO ARASHIRO

OAB/PR 68.948

Dr. Leonardo Adriano Arashiro

Autor(a): Dr. Leonardo Adriano Arashiro

Ver mais artigos deste autor

voltar

 

 

POLÍTICA DE PRIVACIDADE: Este site guarda informações fornecidas em banco de dados para uso posterior. Nenhuma informação pessoal de usuário que preencheu algum formulário deste site será divulgada publicamente. Nos comprometemos a não vender, alugar ou repassar suas informações para terceiros. O presente termo permite que usemos as suas informações para o envio de e-mails como comunicados, notícias e novidades, sendo possível o cancelamento a qualquer momento. Nos e-mails enviados há um link para descadastramento de assinatura. Essa Política de Privacidade pode passar por atualizações.